A religião pode estar sendo usada como comércio

Missionário R.R. Soares
A ganância de certos religiosos por dinheiro não tem limites. Quando a gente pensa que já viu de tudo, sempre acontece uma novidade, uma surpresa é tirada da cartola, para levar o dinheiro de pobres pessoas crédulas, que estão sempre a se dispor com facilidade do tão suado dinheirinho.

A mais recente novidade foi apresentada pelo missionário Romildo Ribeiro Soares, conhecido nos meios religiosos pelo vulgo de R.R. Soares, líder da igreja internacional da graça de Deus, que acaba de lançar uma nova modalidade de coleta de dízimo, que passará a ser feita por meio de débito automático em conta-corrente.

A inovação foi divulgada pelo próprio R.R. Soares em seu programa na Bandeirantes. Na ocasião ele disse que o fiel poderá fazer suas doações mensalmente de forma mais prática. Para tanto, o fiel terá que preencher um cadastro nos sites da igreja e passar seus dados bancários. E quem se cadastrar, vai ganhar um brinde de Jesus, que o missionário não diz o que é.

Para criar o dízimo em conta corrente, a igreja internacional da graça de Deus firmou parceria com o Itaú, Banco do Brasil e Bradesco. Agora o fiel que aderir ao dízimo automático, terá que ficar atento para não ter o seu nome negativado no SPC ou no Serasa, caso não tenha saldo em sua conta corrente no momento da cobrança automática do dízimo.

Dinheiro e religião não devem se misturar
E tem mais. A igreja do R.R. Soares criou também o cartão de crédito da igreja internacional da graça de Deus, o heaven card (em português, cartão do céu), que entre outras "vantagens", permite pagar as compras em até 40 dias, financiar no crédito rotativo e fazer saques de emergência no Brasil e exterior.

Acha que acabou? Que nada. A hipocrisia é tamanha, que segundo o missionário, o cartão “é mais uma forma de você contribuir com as ações e obras sociais da igreja”. Além da igreja internacional da graça de Deus, também as igrejas Mundial e Universal aceitam o pagamento de dízimos e doações por meio de cartão de crédito e débito.

R.R. Soares, que compra horários de várias emissoras de televisão e tem uma operadora de TV paga, é cunhado de Edir Macedo e cofundador da Universal do Reino de Deus, da qual se desligou no final de 1.970, por suposta divergência com o parente. Em 1.980 ele criou sua própria igreja.

Só que ao fazer uma rápida pesquisa a respeito do assunto, descobri que essa idéia do R.R. Soares não é nada original. Ao que parece quem criou esse tipo de arrancar o dízimo do fiel foi a igreja católica. Tanto é que em 2.009, a TV Vanguarda, de São José dos Campos, levou ao ar uma matéria sobre a tecnologia empregada nas igrejas católicas daquela cidade e, dentre as tecnologias apresentadas, a que mais se destacava era o débito automático do dízimo, sob o argumento de que tal iniciativa “facilita ao fiel e à igreja”.

Mais evidências de que essa idéia de R.R. Soares não é nova são encontradas no site da canção nova (http://clube.cancaonova.com/cartaodecredito_.php). Lá pode ser encontrado o Clube da Evangelização e todos os detalhes para que o fiel efetue a sua doação por meio de cartão de crédito.

Apesar de tal operação ser legal, pois a pessoa tem o direito de dispor de seu dinheiro da forma que quiser, mesmo que seja para manter regalias alheias, é preciso lembrar-se do que disse Jesus Cristo: Todo aquele que amar mais ao dinheiro do que a mim, não é digno de entrar no reino dos céus...

Infelizmente, a impressão que se tem é de que a religião está sendo transformada em comércio, e a frase acima citada, foi substituída por outra nada interessante, que diz: Se existe uma estrada para o céu, eu sou o pedágio.

Comentários

Zé Fernando disse…
Hoje em dia ninguém respeita Deus mais. Aliás, o Deus desse povo é o dinheiro. Por isso é que inventam todo tipo de forma de arrancar dinheiro de otários, de manés. O dízimo deixou de ser obrigatório depois da morte de Cristo para salvar a humanidade. Esse negócio de dízimo é coisa do antigo testamento que está sendo usado por espertalhões para pegar o dinheiro dos otários.
Sandra Gomide disse…
Esse monte de falsos profetas estão acabando com o verdadeiro sentido da religião e a transformando em um mercado sagrado, pelo meio do qual muitos enriquecem. A quantidade de pastores sem nunca terem passado por um curso de teologia é enorme e isso desvirtua totalmente as palavras de Deus.
Coelho disse…
O dízimo é uma ordenança tanto no velho testamento como no novo testamento, Jesus observou a entrega dos dízimos no templo, o problema é o comércio que tem acontecido dentro dos templos, no passado a Igreja Cátolica para encher o bolso cobrava suas rezas aos mortos, hoje as igrejas neo-pentecostais tem aproveitado da sinceridade dos fiéis com sua teologia da prosperidade, que fique bem claro que existe igreja séria e que tem usado o dízimo para os proposítos do Reino de Deus.
Marcineide Magalhães disse…
Naum dá pra intender como pessoas simples, que mau tem dinheiro para comprar feijão para a família, não importa de enfiar a mão no bolso e da o dinheiro que poderia ser utilizado para compra leite pros filhos, para a igreja.
Myrella Fernandes disse…
Todo cristão tem por obrigação ajudar no seu crescimento quer financeiro, quer de pessoal. Não vejo comércio nisso e sim esforço para angariar mais fundos para nossa igreja.
Danilo Gonçalves dos Santos disse…
Entendo que alguns poucos exploradores da fé é que acabam prejudicando a imagem da religião, seja ela qual for. Na religião evangélica existem muitos pastores sérios, que seguem sua missão de resgatar vidas através do evangelho, mas existem também muitos picaretas que se aproveitam da palavra de Deus para lucrar. Infelizmente, não é possível separar o joio do trigo.
bomdiafutura disse…
Desde quando a pessoa da o dinheiro com as próprias mãos, eles não estão roubando, e sim, assaltando.Quando um bandido te assalta, geralmente você da o dinheiro com suas próprias mãos, mas por intimidação dele.A justiça deveria intervir nos assuntos religiosos, pois o que mais rola hoje é dinheiro e a cada dia que passa os fiéis são mais lesados por esses “homens de Deus”.Podemos reparar:A maioria dos evangélicos de berço vivem em situações precarias e ainda possuem na maioria dos casos mais de tres filhos, enquanto os pastores vivem bem com casas, carros e varias outras regalias.Eles fazem uma lavagem cerebral nas pessoas que buscam a Deus.Enquanto a justiça não interferir em certos casos, vai ser sempre assim.
Liberdade religiosa sim!!! Exploração jamais….
Ja temos tantos impostos para pagar e ainda vem aparecendo mais.Será que a fé tem preço?
Acorda Brasil!!!!!!!!!!!!!!!
José Vicente Gandino disse…
É por essas e outras que não sigo nenhuma igreja. Se tenho Deus e sigo suas palavras, não tenho porque frequentar igrejas, onde imperava rivalidades, como se fossem times de futebol.
Mantenense consciente disse…
Sou a favor de que os pastores sejam formados assim como acontece com os padres. Não há como a pessoa se auto-intitular padre, pois antes tem que passar por uma série de estudos. Mas pastor, a gente encontra pessoas que não sabem nem ler e escrever que se apresentam como pastor. Por isso os evangélicos, que são pessoas do bem, muitas vezes são prejudicados por falsos profetas.
bomdiafutura disse…
Eu tenho um colega de infancia que virou pastor.Volta e meia eu o vejo bebendo e fumando em festas.Quando cobro a seriedade de "Pastor" dele, sempre ouço:-Ah irmão 'to' desviado, mas vou ser libertado.
Isso não tem lógica:Prega uma coisa e efetua outra.
Assim com diz o Boris Casoy:"Isso é uma vergonha".
Marciney Curtiney disse…
Dr. Euvécio, já notou como esse povo que usa o nome de nosso pai do céu fica cada dia mais rico? Acho que também vou virar pastor. Conheço um pouco da bíblia e sei falar bem. Conseguir um monte de otários para seguir o que estou dizendo é fácil.