Quem poderá salvar a população francisquense do insistente excesso de barulho?


Som de lixadeira de serralheria enlouquece

Durante o programa radiofônico que apresento de segunda a sexta-feira pela Rádio FM dos Anjos em rede com a Rádio Globo AM de Barra de São Francisco/ES, são inúmeras as reclamações e denúncias que recebo via telefone, cartas, e-mails e até pessoalmente, sobre várias irregularidades que ocorrem constantemente na cidade, sem que as autoridades competentes tomem quaisquer providências para amenizar o sofrimento dos cidadãos que pagam religiosamente seus impostos e nada recebem em troca.

Dentre tantas reclamações, as que se destacam giram em torno da barulheira que tomou conta da cidade. Barra de São Francisco/ES, no noroeste capixaba, transformou-se na cidade mais barulhenta do país. E isso tem incomodado sobremaneira a população, que já não sabe mais a quem recorrer, pois aqueles que deveriam fiscalizar o uso de sonorização dormem em berço esplêndido, como se nada estivesse acontecendo.

Os carros de som percorrem a cidade de canto a canto, anunciando todo tipo de porcarias, impregnando o ar de ondas sonoras de mau gosto, com locuções irritantes e nada disso é o bastante para que nossos vereadores, Ministério Público ou Secretaria Municipal de Meio Ambiente criem uma forma de amenizar o sofrimento do povo.

Carros de som são uma tortura
Nas residências, as pessoas não conseguem manter um diálogo, a não ser por meio de gritos; assistir televisão ou ouvir rádios tornou-se uma tarefa quase impossível. Crianças e idosos, em decorrência do excesso de barulho, ficam irritadiços, estressados, para desespero de seus familiares, que vêem o sofrimento dos entes queridos, mas nada podem fazer e não têm a quem recorrer.

No comércio, muitos comerciários não conseguem ouvir seus clientes, o que acaba provocando perda de vendas. Nos escritórios então, a coisa é feia. Se o proprietário estiver conversando com um cliente ou falando ao telefone, tem que parar tudo, até o veículo barulhento, o dono das ruas, passar e o silencio retornar.

Alguns falam mal, outros reclamam, mas tudo continua na mesma. Para piorar ainda mais a situação, a mais recente denúncia é de que estão construindo serralherias próximo às residências. Têm sido liberados alvarás nesse sentido. Trata-se de informação de um morador desesperado, que reclama de ouvir o dia todo o barulho de lixadeiras trabalhando, irritando toda sua família.

A situação é tão crítica, que as pessoas dessa família têm que sair de casa durante o dia e só retornar à tarde quando o expediente da tal serralheria já terminou. O barulho é tão intenso, que as pessoas que residem nas proximidades da serralheria ficam com dor de cabeça constantemente, além de correr o risco de perder a audição. Isso sem contar que o imóvel onde residem, com o advento da tal serralheria, perdeu totalmente seu valor comercial.

Serralherias, todos sabem, são necessárias ao desenvolvimento, pois prestam um excelente serviço ao progresso. Contudo, a instalação de serralherias só deveriam ser liberadas em locais fora do perímetro urbano, para evitar esse tipo de aborrecimento.

Como não dá para acabar com as já existentes, o que se espera é que as autoridades responsáveis, depois de realizar o estudo necessário, obrigar essas serralherias a criar uma forma de o barulho não incomodar as pessoas das proximidades. E a forma para isso é cuidar da acústica do ambiente.

O problema existe, a irritação da população cresce cada dia mais e as autoridades responsáveis fazem vistas grossas. Principalmente no caso de sonorização volante, que só deveria ser permitida nos bairros distantes, pois na sede do município, em qualquer parte que o carro de som estiver, estará a menos de cem metros de um órgão público como prefeitura, câmara municipal, hospital, casa de saúde etc. Mas isso ninguém parece ver. Ou se vê, prefere não se cansar trabalhando em prol de melhores condições de vida para a população.

É de se ressaltar que nem os reclamantes e muito menos este blog somos contra o trabalho dessas pessoas, que precisam ganhar o pão de cada dia e, em muitos casos, como o das serralherias, contribuem para o desenvolvimento da cidade. O que se reivindica é que haja mais respeito no exercício desse direito.

Diante do quadro acima descrito, só resta lembrar a famosa frase de um herói mexicano muito querido da criançada de oito a oitenta anos: E agora, quem poderá nos salvar?

Comentários

Nath disse…
vc ta reclamando disso, mas é pq vc ainda num viu os apitinhos dos portões dos prédios aqui do lado, to vendo a hora q vo passar a mão num ferro e vo quebrar aquilo tudo, num para um segundo, ate de madrugada é o tempo todo, num é possível q ngm reclame disso!
Mariela Quiuqui disse…
Vc istá com a razão. Esse absurdo acuntece todo dia e num tem ninguem interessado em fazer alguma coisa pelo povo. Até parece que os vereadores tem medo de tomar uma providencia. Se num podemos contar com os vereadores que são os nosso representantes, nos vamos contar com quem?
José Miguel do Carmo disse…
Qdo um carro de som passa dá vontade de pegar um canhão e destruir tudo. Naum dá para suportar tanto barulho. Pq ninguem faz nada para acabar com essa baderna toda?
Filomena Costa Pombal disse…
Nossa cidade já foi pior na época do
Raul Tremendão, que percorria a rua com um trio elétrico que incomodava todo mundo. Hoje a situação tá menos pior, mas precisa que alguém faça alguma coisa para coibir esse abuso todo.
Marcone Gouveia disse…
Ontem vi um trio elétrico percorrendo a avenida e liguei para a polícia. Não sei se as providências foram tomadas, mas o trio sumiu. Temos que botar esses poluidores na cadeia!!!
Honofre Rodrigues Fraga disse…
O Rafael é muito chato, ninguém nega. Mas tem um tal de luzimar, que dá azia até em saco de bicarbonato. Ele é muito chato. Onde está os promotores que num toma providencias, afinal esse barulho incomoda muita gente, além de agredir os órgãos públicos, inclusive o fórum, a prefeitura, a câmara, o hospital, a casa de saúde etc
Ricardo José Moura disse…
Essa cidade ficou muito barulhenta e difícil de se viver. Naum intendo purque uma minoria de baderneiro tem mais poder que toda a população, que é prejudicada por tanto barulho e ninguém fais nada