Greve de funerários deixa claro que o direito de greve prejudica a vida do cidadão comum


Coveiros terceirizados trabalharam dobrado

Apesar de garantido pela Constituição Federal em seu artigo nono, o direito à greve tem gerado nos últimos tempos muitos transtornos para a sociedade, porque os grevistas aproveitam para provocar badernas e prejudicar o direito de ir e vir do cidadão, muitos dos quais, dependendo da greve, não podem nem mesmo se locomover da casa para o trabalho.

Seja a greve provocada por trabalhadores em transportes coletivos, escolas, comércio etc, a situação é sempre a mesma. Tomam conta das ruas, depredam o patrimônio público e privado, aproveitam para fazer saques em lojas e supermercados, enfim, provocam todo tipo de baderna, obrigando a polícia a ficar de prontidão, desfalcando a segurança dos demais cidadãos.

Cemitérios ficaram desertos durante a greve
Quando a greve é provocada por médicos ou enfermeiros então, o caos é total. O cidadão que tem um ente querido necessitando de atendimento hospitalar, se desespera diante da falta de responsabilidade desses profissionais, pois sabem que, se o caso for grave, a morte será certa. Durante a greve, o trabalhador perde a humanidade, esquece os ensinamentos cristãos e transforma-se em animal irracional. Nunca pensa no próximo.

Uma prova recente dos transtornos provocados por esse tipo de manifestação, é a absurda greve dos funerários de São Paulo, que trouxe muito sofrimento para as pessoas que tinham entes queridos necessitando de sepultamento, porque os trâmites para a liberação de corpos se arrastavam por dezenas de horas.

A justiça declarou ilegal a greve dos funerários e determinou o retorno dos trabalhadores a seus afazeres, mas a ordem só foi obedecida na sexta-feira à tarde. Em vista disso, os enterros atrasados estavam sendo feitos até durante a noite, com coveiros iluminados por faróis de carros, dando ao cenário um aspecto fantasmagórico, de filmes de terror.

Não tenho nada contra a greve, ela é necessária em alguns casos. Mas aqueles que optam por essa medida extrema, deveriam ter mais sensibilidade, não deixar se levar pelo instinto animalesco e se limitar apenas a área de seu interesse, evitando, dessa forma, transtornos para a sociedade.

Não dá para entender porque uma greve de professores, por exemplo, que deveria se limitar aos muros das escolas ou faculdades tem que ser levada para as ruas e avenidas, prejudicando o direito de ir e vir do cidadão, bloqueando trânsito, enfim, criando todo tipo de transtornos, transformando um importante mecanismo de reivindicação trabalhista, em arma contra a sociedade, em meio de tumultuar a vida da população e provocar badernas generalizadas.

Decididamente, o direito de greve deveria ser melhor utilizado, pois da forma que se utiliza esse importante direito constitucional atualmente, a impressão que se tem é de que o direito de greve passou a ser utilizado como forma de depredação, saques em comércios, servindo inclusive para infiltração de políticos e marginais, que encontram em grevistas despreparados, uma forma de fazer valer seus interesses escusos.

É preciso encontrar com urgência uma forma de punir com rigor aqueles que se utilizam do direito de greve para provocar tumultos e prejudicar a sociedade. É preciso que se crie com urgência uma forma de impedir que médicos, enfermeiros, funerários e trabalhadores de outros serviços essenciais façam greves, deixando as pessoas, principalmente as mais carentes, à mercê de sua própria sorte.

Certamente alguns dirão que estou sendo radical. E quem não ficaria radical ao ver uma mãe clamando por atendimento de seu filho à beira da morte, enquanto médicos e enfermeiros, pensando apenas nos seus bolsos, negam o atendimento?

Quem não teria um pensamento radical vendo um pai, uma mãe, um filho, um irmão, um amigo ou qualquer outro ser humano morrendo na porta de um hospital por falta de atendimento, porque médicos e enfermeiros estão em greve?

Quem não teria pensamento radical vendo o corpo de um ente querido abandonado, aguardando sepultamento?


Comentários

Marinaldo Alves disse…
Sou totalmente contra greve. Isso é coisa de desocupado, de pessoas que não gostam de trabalhar. Merecem levar cacetadas da polícia!!
Mileide Gonzaga Santos disse…
Parabéns Euvercio. Vamos descer a leinha nesse bando de desocupados que so sabe provocar badernas com desculpa de salários melhores. Abaixo os grevistas...
Marilene Suvila Pacheco disse…
fazer greve deveria ser proibido, principalmente greve de motoristas de onibus e de medicos, pois prejudica muito nossas vidas. Porrete nos grevistas ja.
Cidadão revoltado disse…
Fazer greve é uma afronta à sociedade que tem que conviver com todo tipo de desmandos de nossos governantes e de repente tem que se deparar com um bando de desordeiros, irresponsáveis, que para conseguir seu interesse próprio, prejudica toda uma coletividade.
Rômulo José Francioni disse…
Fazer greve é um direito do trabalhador, mas esse direito de uma classe não pode colocar em cheque toda uma sociedade.
Valéria do Vai Quem Quer disse…
A greve é um direito nosso e vamos usar esse direito sempre que for possível. Quanto a sociedade, ela tem que saber o que está acontecendo e por isso vamos envolver a sociedade mesmo, querendo ou não. Viva a greve e abaixo os que não são democráticos e querem impedir que a jente lute por nossos direitos.
nilson antonio cruvinel disse…
Sobre os comentários vêem-se uma exarcebada apologia á uma lei tratando-se do direito de todo e qualquer trabalhador , visto que jamais deveria-mos generalzar-mos pois é somente através de movimentos conjuntos denominados greve que conseguimos algum "benefício", fato sim que existem exageros por partes de algums e lembro a vcs que uma coisa num tem nada haver com outra , "Mas governantes se reunem na calada da noite para discutir e votar sobre os seus salários e os assim aprovarem aumentos para tal , o que dizer-mos sobr o trabalhador e contribuinte que só tem este meio para não sequer chegar a um salário digno " !