Depois de toalhinha ungida e martelo da determinação padre sorteia bênção pela TV


Marcelo Rossi vende livros e sorteia bênção...

Definitivamente a religião virou pauta de programas de TVs abertas. Digo isso porque depois de a Record fazer uma longa reportagem atacando outras igrejas evangélicas no Domingo Espetacular que, diga-se de passagem, é um ótimo programa, e de a Globo anunciar que terá um especial de Natal gospel, o SBT tenta incrementar seu ibope com a fé alheia.

Isso mesmo, além de Raul Gil realizando programa de calouros gospel, o Domingo Legal, apresentado pelo chato Celso Portiolli, anuncia a realização de sorteio de uma bênção do padre Marcelo Rossi, garantindo ao ganhador o direito a uma visita ao padre, que vai abençoar sua residência e sua família.

Não, caros leitores, não é brincadeira. O Domingo Legal não vai sortear uma casa ou qualquer outro prêmio nesse sentido. Sorteará apenas a bênção do padre, campeão de vendas de livros e CDs, ícone do movimento carismático católico, que se presta a um papelão desses, a uma enganação dessas.

... e evangélicos vendem martelos e toalhinhas
Esse tipo de coisa acontece, porque a carência espiritual faz com que as pessoas caiam cada vez mais nas mãos de patifes, verdadeiros estelionatários da fé, que inventam toda sorte de coisas estranhas para ludibriar o cidadão crédulo e tirar-lhe o pouco dinheiro que tem para tratar da família.

O que entristece em tudo isso é saber que estão usando a religião e a fé do povo sempre ingênuo para promoção pessoal ou de igrejas. Pastores, padres, apóstolos, missionários e outros “que tais” que vendem a esperança, prosperidade, terrenos no céu, rosa ungida, óleo santo, sal do descarrego, toalhinha ungida, martelo da determinação, meias da sorte, água do Jordão, fitinhas de Nossa Senhora, imagens de santos, imagens do pastor, promessas de cura, novo amor, dentre outras espertezas, estão abusando da boa fé do cidadão. Ainda há os que fundam sua própria igreja e ficam ricos à custa da pobreza financeira e de espírito do povo.

Desde que estejamos unidos e em comum acordo na prece, Deus nos ajuda e nos concede a graça da cura. As pessoas precisam entender que Jesus Cristo jamais prometeu dinheiro e sucesso financeiro a seus seguidores. Ele, na verdade, disse: “toma tua cruz e me siga!”.

É evidente que Deus quer e nos ajuda a termos um bom trabalho, bom salário, saúde, família unida, filhos saudáveis etc. Mas, para isso, é preciso fé e fidelidade a Ele sem necessidade de sacrifícios, votos, promessas, compra de objetos, entrega de dinheiro à igreja para receber algo em troca, o que é uma tentativa errada de fazer barganha com Deus.

Diante das aberrações religiosas dos últimos tempos, o que se nota é que as práticas medievais que a Igreja Católica fazia, e que deixou algumas ainda praticadas hoje, estão voltando por meio de algumas igrejas evangélicas pentecostais, neo-pentecostais e algumas protestantes, cujos coordenadores se esquecem que Deus quer ver é a obra. Mesmo porque, fé sem obras é uma fé morta.

É certo que em algumas regiões existem serviços sociais levados a cabo por igrejas. São locais onde a prefeitura e o Estado não chegam. Ali estão missionários, pastores, padres, freiras, espíritas educando, alfabetizando jovens e adultos, promovendo a vida, criando creches, escolas, instituições filantrópicas que oferecem cursos profissionalizantes, independente de raça ou credo dos candidatos necessitados.

Infelizmente isso é muito pouco diante do montante que se arrecada nas ofertas e vendas de amuletos, fitas, rosas ungidas, imagens, toalhinhas, martelos e do dinheiro que é obtido por meio de débito automático.


Em que é aplicado o dinheiro auferido com a venda de terrenos no céu, curas e exorcismos? Fácil responder: aplica-se em construções de megas igrejas, podendo ser citadas como exemplos a do padre Marcelo Rossi e a do bispo Edir Macedo, ou vai para o exterior, aonde pastores, bispas, apóstolos e outras denominações diversas, mantêm mansões e seus filhos estudam nas melhores universidades, enquanto o povo, que financia tudo isso, toda essa mordomia, fica distribuindo jornalzinhos da igreja pelas praças e ruas, perambulando pelas cidades vendendo a fé e criando dependentes da igreja.

A fé alheia não mais está sendo levada a sério. Tem muita gente enriquecendo ilicitamente por meio de religiões. Pastores formando verdadeiros impérios, bandas gospel cobrando cachês de fazer inveja a qualquer mega star, padres vendendo livros que curam até hemorróidas e, como novidade mais recente, sorteio de bênção pela televisão. Está na hora de as pessoas acreditarem mais em Deus e deixar de se levar por estelionatários da fé.

Jesus Cristo disse: “ninguém vem ao pai senão por Mim”. As pessoas estão buscando ajuda em locais errados. Deus não precisa de igreja e nem de dinheiro. Deus quer que seus filhos sejam corretos, façam o bem aos que realmente necessitam, e não que fiquem doando dinheiro para quem mora em triplex fora do Brasil. Deus não quer que a pessoa se prive e aos seus familiares, para dar boa vida a falsos profetas, enganadores da fé.


Comentários

Rômulo José Francioni disse…
A religião hoje em dia está uma vergonha. Um monte de vagabundos que só sabem tirar o dinheiro dos pobres coitados. Se Jesus ainda estivesse entre nós, esses vendilhões da fé seriam todos punidos, como aconteceu no caso daqueles que estavam fazendo comércio na igreja e Jesus os expulsou.
José Alonso Santa Cruz disse…
Esse padre Marcelo Rossi é a mesma coisa que os evangélicos, só pensa em dinheiro. São todos do diabo e não de Deus.
Carmelita Novais Moreira disse…
Nunca confiei nesse tal de marcelo rossi. Ele gosta demais de aparecer e de dinheiro. Acho até que o deus dele é o dinheiro..
Osvaldo Nunes Vieira disse…
Não existe enganação maior do que vender a fé. Os padres e pastores que agem dessa forma deveriam ser fuzilados. Mas Deus é justo e eles vão pagar por isso se queimando no inferno.
Miguel Eufrasio Lima disse…
O Padre Marcelo Roci merece o troféu cara de pau, isso sim. Onde já se viu sortear bênção...
Meira Maria Mendes disse…
Esse padre marcelo roci está aprendendo com os crenti a enganar o povo. vou deichar de ser católico por causa dele. só pensa no dinheiro.
Ione Duarte disse…
Penso que religião hoje virou ferramenta de trabalho de falsos profetas, a carência do povo é que alimenta essa vergonha.
Na verdade o problema não é a religião em si, mas aqueles que a usam como forma de enganar pessoas simples, pobres e carentes. Alguns padres e pastoores trabalham com auto ajuda, livros e programas na TV, nós não precisamos disso, precisamos é de políticas públicas que atendam as necessidades primárias do povo. Deus habita em nossos corações.
Anônimo disse…
Os católicos devem manter fidelidade apenas ao papa. Somente ele é "infalível" em matéria de fé e doutrina. A própria virgem em suas aparições aprovadas pela e igreja que são somente 3 ou 4, destaca que a fidelidade ao papa deve ser mantida e estendia aos bispos que estão com ele unidos. E o papa tem a infalibilidade não pela pessoa dele, mas pelo cargo que ele ocupa. Ele pode ser até mesmo maior pecador que nós, mas enquanto Simão erra, ao ponto de ser repreendido pelo Senhor Jesus, Pedro é solicitado a confirmar seus irmãos. A promessa de Jesus permanece. Ele não mente e é o mesmo ontem, hoje e eternamente. Se Lutero não creu é problema dele. Disse o Senhor: "as portas do inferno não prevalecerão contra minha igreja." Disse ainda o Senhor da Glória:"eis que estarei convosco até o fim dos tempos." Façamos o que a virgem nos disse desde as bodas de Canã: "fazei tudo que meu filhos vos mandar." Não façamos como Lutero: "Quem não crê como eu está destinado ao inferno. O meu juízo e o juízo de DEUS são a mesma coisa." Seja anátema todo aquele que não crê na promessa do Salvador do gênero humano, mas antes entrega-se aos ensinamentos de homens(Calvinos, Macedos, Luteros, Santiagos, Sores, Valadões).