Aprovação de lei que permite vendedores em ônibus preocupa usuários

Usuários deverão disputar com vendedores
 ambulantes espaço em coletivos
“Como se já não bastassem os pregadores de meia tigela, os ex-drogados vendendo toda sorte de coisas, transformando os ônibus superlotados em uma espécie de mercado persa, agora surge isso de vendedores poderem vender seus produtos nos ônibus. Estamos ferrados”.

O comentário é do autônomo William Carlos do Nascimento, ao tomar conhecimento do Projeto de Lei de autoria do vereador Vinicius Simões, que oficializa a atividade dos vendedores ambulantes dentro dos coletivos municipais de Vitória, aprovado nesta segunda-feira, 04.

Segundo ele, o cidadão paga caro para usar os coletivos, não tem um mínimo de conforto, circula como sardinhas enlatadas, é incomodado por todo tipo de gente, desde funkeiro com som alto a pregador que interpreta a Bíblia de forma esdrúxula, e agora vem um vereador inventar moda.

Com a aprovação do projeto, cabe à prefeitura regulamentar o exercício dessa atividade, cadastrar os vendedores que atuarão nos coletivos e fazer a fiscalização. Vale lembrar que o projeto ainda precisa ser sancionado pelo prefeito para se tornar lei e entrar em vigor.

Para justificar a lei de sua autoria, o vereador afirmou que foi procurado por 120 baleiros que tinham necessidade de uma legislação como essa. “Em tempos de crise muitos têm a venda nos ônibus como única renda”, disse o vereador Vinicius Simões.

Ele acrescenta que no contrato de concessão das empresas que fazem o transporte coletivo da capital consta que a atividade de baleiros nos ônibus é proibida, mas deixou claro que a proposta foi discutida também com o sindicato da área. “As empresas entenderam que é um momento de crise”, afirmou.

A boa intenção do vereador deixa os usuários de coletivos preocupados. A maioria das pessoas ouvidas sobre a lei a ser sancionada foi contra. “Houve uma precipitação por parte do vereador, que não ouviu os usuários dos ônibus. Ele certamente não usa ônibus”, disse a doméstica Elza Moreira Souza.



Comentários