Cachorro drogado ataca e mata o próprio dono com mordida no pescoço

As autoridades querem que Major seja sacrificado
depois de matar o dono
Doidão depois de fazer uso de drogas, um cachorro da raça Bul Terrier de Sfaffordshire, de nome Major, matou seu dono, Mário Perivoitos, 41 anos, no momento em que a emissora britânica BBC fazia gravação de um documentário sobre drogas com a vítima.

O fato aconteceu em março deste ano em Wood Green, no Norte de Londres, na Inglaterra, mas só agora foi divulgado com o lançamento do documentário. Os jornalistas que testemunharam o ataque contaram que o cão mordeu o pescoço de Mário, provocando ferimentos fatais em sua laringe.

O veterinário toxicologista Nicholas Carmichael analisou amostras coletadas do animal por determinação das autoridades e detectou altos níveis de cocaína e morfina na urina, o que indica que o animal pode ter agido sob efeito do crack. Um inquérito foi aberto para apurar o caso.

De acordo com a autopsia realizada pela médica Julie Higgins em Mário Perivoitos, o corpo dele tinha ferimentos no pescoço e no rosto, com hemorragia, além de destruição da laringe. O resultado da perícia médica foi entregue aos investigadores que estão cuidado do caso.

O investigador Andrew Walker acredita que Mário tenha consumido cocaína antes do ataque do cão. “Ele sofreu um ataque epiléptico, que fez com que o cão o mordesse no rosto antes de mordê-lo no pescoço. O cão pode ter comido cocaína, que provocou seu comportamento anormal”, disse o investigador.

A equipe da BBC que estava na casa gravando o documentário Mapa das Drogas da Grã-Bretanha viu quando ele sofreu o ataque epiléptico e foi atacado pelo animal. Eles chamaram a ambulância e tentaram retirar o cachorro de cima da vítima em vão.

Quando o produtor do programa Joshua Haddow, conseguiu retirar Major de cima do dono já era tarde. Ele foi socorrido, mas morreu ao dar entrada no hospital. Depois de os componentes da equipe da BBC serem ouvidos o inquérito prossegue, inclusive com pedido de que Major seja sacrificado.



Comentários