Homem dorme ao lado do corpo da mulher depois de mata-la a golpes de faca

Arlete Campos foi morta a facadas pelo marido

Depois de matar a companheira e dormir ao lado de seu corpo, Alexon Bezerra Rocha, 33 anos, foi preso pela Polícia Militar e encaminhado à 27ª Delegacia de Polícia de Recanto das Emas/DF. O crime aconteceu na madrugada de segunda-feira, 05, e causou revolta na vizinhança.

Arlete Campos de Oliveira, 49 anos, foi morta com uma facada na barriga, depois de uma discussão com o marido por volta das 02h, ao voltar de um forró. Segundo vizinhos, os gritos só cessaram na madrugada, provavelmente depois que a mulher já estava morta.

De acordo com o delegado Pablo Aguiar, que está investigando o caso, no dia seguinte pela manhã Alexon avisou à filha de 13 anos de Arlete que a mãe dela estava morta. Ele disse ainda à menor, que a mãe poderia ter se matado ou tinha sido morta por alguém que entrou na casa.

Alexon dormiu ao lado do corpo da esposa depois de matá-la
Além disso, o criminoso ligou para a Polícia Militar, que ao chegar ao local não acreditou na sua versão e o prendeu em flagrante. Segundo a sargento Rosana Assis, que efetuou a prisão de Alexon, o ambiente do crime não condizia com a versão dele de que a vítima tinha se matado.

Ainda segundo a sargento Rosana, “Alexon chorava muito, mas não saiam lágrimas de seus olhos, além de que o corpo estava mexido”. De acordo com Rosana, a vítima estava deitada em uma posição diferente e o local do ferimento tinha sido limpado pelo criminoso.

O delegado Pablo Aguiar informou que Alexon é muito agressivo e contra ele constam quatro ocorrências de Maria da Penha registradas pela vítima, além de dois furtos e um roubo. Disse, ainda, acreditar que Arlete tenha morrido instantaneamente ao levar a facada.

A arma do crime, uma faca peixeira, foi localizada mais tarde durante uma varredura debaixo do armário, suja de sangue e enrolada em uma camiseta, mas o Alexon continua negando que tenha praticado o crime. O criminoso, depois de autuado, foi colocado à disposição da justiça.




Comentários